Capsulite Adesiva no Ombro ( Ombro congelado, Tratamento )

O ser humano pode apresentar variados tipos de doenças inflamatórias relacionadas ao sistema músculo-esquelético, sempre devido a circunstâncias também diferenciadas.

Entre essas doenças inflamatórias está a Capsulite Adesiva no ombro que também pode ser chamada de “Ombro Congelado”, da qual vamos fazer alguns comentários e aproveitar para falar de algumas formas para tratar essa inflamação.


O que é ombro Congelado

Ombro Congelado é uma doença inflamatória que também causa fibrose e rigidez e espessamento da cápsula articular do ombro com muita dor e também alguma limitação aos movimentos, os dois principais sintomas do problema. A doença é mais comum nas mulheres do que nos homens e raramente pode acometer os dois ombros ao mesmo tempo.

Apesar de acontecer no ombro e com sintomas parecidos, a Capsulite Adesiva não tem nada a ver com Bursite que é a inflamação da Bursa ou Tendinite que é a inflamação dos tendões do ombro.


Esse tipo de inflamação no ombro pode ser classificada em três fases:

  • Fase dolorosa ou inflamatória,
  • Fase de congelamento ou rigidez,
  • Fase de recuperação ou descongelamento.

Os sinais e sintomas que podem indicar a síndrome do ombro congelado são:

  • Dor no ombro e dificuldade para se apertar o sutiã (mulher), vestir um casaco ou colocar objetos no bolso de trás da calça;
  • Após algumas semanas a limitação dos movimentos do ombro aumenta;
  • Não é possível dormir sobre o ombro afetado

Anatomia do Ombro, e sua Movimentação

A articulação Glenoumeral  e a principal articulação do ombro. E a estabilidade do ombro é mantida por um sistema passivo que é composto pelo complexo capsulo ligamentar glenoumeral. Mas também por um sistema ativo que é composto pelo tendões e músculos do manguito dos rotadores.

A Articulação acromioclavicular e esternoclavicular, é sinovial plana que permite a articulação entre a clavícula e o eixo axial.

A acromiocalvicular é pequena sinovial que fica entre a ponta lateral da clavícula e o processo acromial da escápula.

Já a esternoclavicular fica entre a ponta medial da clavícula e o manúbio do esterno. também é uma articulação sinovial mas em sela.

A articulação subacromial funciona como se fosse uma articulação, e é formada pelo arco coracoacromial, a bolsa subdeltóidea e os tendões do manguito rotador.

A articulação escapulotorácica faz o papel de uma articulação mas na verdade não é, e sua base móvel é a escápula onde a raiz dos membros superiores se apoiam e os arcos costais, sobre os quais, ele é fixado durante o movimento do ombro.

Ainda temos a Amplitude articular do ombro que se divide em 6 movimentos sendo estes:

  • Flexão do ombro -os músculos que comandam a flexão do ombro são o Peitoral maior, Deltoide anterior, Coracobraquial e também o Bíceps.
  • Extensão do ombro -os músculos que comandam os movimentos nesse caso são: Grande dorsal, Redondo maior, Deltoide posterior, Tríceps e Peitoral maior.
  • Abdução do ombro – nesse caso, os músculos que comandam esses movimentos são o Deltoide anterior e também o Médio, o Supra-espinhoso e também o Bíceps.
  • Adução do ombro – os músculos que comandam esse movimento são: Peitoral maior, Grande dorsal, Redondo maior, Subescapular e ainda o Coracobraquial.
  • Rotação interna do ombro – os músculos que fazem esse movimento são: Peitoral maior, Grande dorsal, Subescapular, Redondo maior e mais o Deltoide anterior.
  • Rotação externa do ombro – para esse movimento os músculos usados são: Redondo menor, Infra espinhal e mais o Deltoide posterior.

Fases de Desenvolvimento da Patologia

As fases de desenvolvimento da Patologia da Capsulite Adesiva são divididas em 3, são elas:

  • Fase Dolorosa ou Inflamatória – essa fase começa com a dor que progride de acordo com os movimentos do ombro e chega a se tornar tão intensa que causa a imobilidade do membro.
  • Fase de Congelamento ou Rigidez – depois de alguns meses, a dor ameniza, porém, o membro se torna ainda mais rígido impedindo os movimentos.
  • Fase de Recuperação ou Descongelamento – essa fase começa após 12 meses ou mais de muita dor e imobilidade quando o membro começa a “descongelar”. Progressivamente, o paciente recupera os movimentos e a dor deixa de existir.

Causas da Inflamação da Capsulite Articular

Com respeito as causas dessa doença, não se sabe com segurança qual é a sua origem, mas existem alguns fatores que com certeza contribuem para que ela aconteça, tais como:

  • Idade – é muito comum acontecer a inflamação em pessoas a partir dos 50 anos de idade,
  • Imobilização prolongada do braço,
  • Cirurgias,
  • Doença de Parkinson,
  • Diabete Mellitus,
  • Hipertireoidismo,
  • Hipotireoidismo,
  • Doenças auto-imunes,
  • Traumas na região do ombro
  • Acidente Vascular Cerebral,
  • Doenças Cardiovasculares.

Exame para identificar o problema no ombro

Ao visitar o médico ortopedista, o profissional poderá diagnosticar o problemas analisando os sintomas relatados pelo paciente. Além disso realizará alguns movimentos com o ombro para observar as dificuldades com a mobilidade o que pode ser suficiente para esse diagnóstico.

Os exames que podem ser solicitados pelo médico para uma garantia maior no diagnóstico é a Tomografia Computadorizada ou uma Ressonância Magnética.

Com esses exames é possível observar as condições da cápsula articular, ligamentos e tendões. Se acaso o problema no ombro tem, de fato a ver com a Capsulite Adesiva, os exames irão acusar um espessamento da cápsula  e os recessos capsulares com Líquido Sinovial.

Dependendo do quadro clínico do paciente, o médico ainda poderá aconselhar um exame de sangue para averiguar os níveis de açúcar no sangue como também o colesterol.

Com respeito aos tratamentos, esse será determinado pelo médico de acordo com a gravidade do problema, o que é normal.

Geralmente será recomendado as sessões de fisioterapia, uso de analgésicos e anti-inflamatórios, para amenizar a dor. Já em casos mais graves a solução fica por conta de uma intervenção cirúrgica.

Alongamentos de baixa intensidade na fase inicial

Quando essa inflamação está em fase inicial, o médico poderá recomendar entre os tratamentos para Capsulite Adesiva no ombro alguns analgésicos e também alguns tipos de alongamento com o braço lesionado. Vamos a alguns desses exercícios físicos:

  • Esticamento com toalha – Esticando o exercício para aumentar a amplitude de movimento. Pegue uma toalha longa, segure em uma mão e jogue-a sobre seu ombro para a parte traseira. Alcance atrás de sua parte traseira com a outra mão e agarre a toalha. Puxe suavemente a toalha para cima e permita que sua mão atrás de suas costas alcance a ponta da toalha. tendo o a região da clavícula como apoio, procure movimentar o ombro afetado fazendo movimentos para cima e para baixo por pelo menos 10 vezes seguidas em 3 sessões.
  • Exercícios perpendiculares – para realizar essa atividade, primeiramente relaxe os ombros. Depois disso, levante-se e incline-se ligeiramente permitindo que o braço fique dependurado para baixo que deverá ser balançado com movimentos circulares.

Os movimentos devem ser feitos em 10 sessões, primeiramente com giros horários e depois com giros anti-horários.

  • Axila Estiramento – usando o braço saudável, levante o outro braço e então procure esticar e dobrar o braço afetado sempre com o cuidado para não complicar a lesão. Faça esses movimentos pelo menos 10 vezes consecutivas, esticando e encolhendo o braço afetado.
  • Alcance transversal do corpo – deitado de barriga para cima, use o braço saudável e pegando o outro braço na altura do cotovelo procurando trazê-lo para cima do corpo exercendo uma leve pressão para procurar esticá-lo. Faça esse alongamento por 10 vezes procurando manter cada alongamento por 30 segundos.

Anti-inflamatórios para Fase Avançada

O principal objetivo em usar os medicamentos anti-inflamatórios  no tratamento para Capsulite Adesiva no ombro na fase avançada da inflamação é controlar a dor e evitar que a inflamação se complique ainda mais.

Para esses tratamentos são utilizados os medicamentos anti-inflamatórios não hormonais que podem ser administrado via oral, intra-muscular ou da forma que o médico ortopedista achar conveniente. Vamos a algumas opções:

  • Meloxicam – esse medicamento é indicado para tratamentos de inflamações no sistema músculo-esquelético e sua ação começa a ser percebida em até 45 minutos após a administração.Cada comprimido contém 7,5 mg de Meloxicam e devem ser ingeridos inteiros.
  • Diclofenaco Sódico – mais uma opção em medicamento anti-inflamatório bastante recomendado para tratar das inflamações no sistema músculo-esquelético.

Cada comprimido contém 50 mg de Diclofenaco Sódico e em geral a dose recomendada para os adultos é de 2 a 3 comprimidos ao dia que devem ser ingeridos inteiros.

Fisioterapia para Tratar

Fisioterapia é de fundamental importância no tratamento da Capsulite Adesiva. Ultrassom, Corrente Galvânica ajudam a diminuir a dor e também o desconforto bem presente nessa complicação.

Existem as técnicas de mobilização e as atividades físicas para alongamento que certamente um bom fisioterapeuta irá recomendar e que podem ser praticados em casa no caso de não haver condições de ir ao consultório.

Ainda pode-se recomendar as bolsas de água quente que são bem eficazes para tratamentos desse gênero, especialmente para preparar o membro para os alongamentos.

Convém lembrar que essas compressas quentes relaxam a musculatura e com isso, facilitam o tratamento.

Por outro lado, ao final de cada sessão, troca-se as compressas quentes por bolsas de gelo, pois estas ajudam a diminuir satisfatoriamente a dor.

Tratando com Exercícios de Pilates

Para quem desejar fazer uso do Pilates para resolver o problema da Capsulite Adesiva, podemos recomendar pelo menos 5 tipos de exercícios, tais como:

  • Flexão dos ombros,
  • Rotação dos ombros,
  • Alongamentos da Cervical,
  • Rotação interna do ombro,
  • Mobilização da Omoplatas.

É importante lembrar que todas essas atividades para este fim, precisam ser assistidas por um profissional fisioterapeuta especializado na área.

Cirurgia de Artroscopia como método de Tratamento

Embora a grande maioria dos pacientes com Capsulite Adesiva apresentem melhora significativa e até com sucesso com tratamentos mais conservadores, existem casos em que a recuperação é muito lenta.

Isso acaba sendo a causa de maiores transtornos para esses pacientes, entre estes, especialmente os diabeticos, pois a própria doença dificulta a cura causando uma complicação na fase 2 da doença.

Nessas situações, o médico responsável irá sugerir  a cirurgia de Artroscopia que é considerada muito segura e menos traumática do que as cirurgias abertas.

A Artroscopia é uma cirurgia conhecida há muitos anos, pois ainda nos anos de 1960 ela já era bem popular. Trata-se de uma técnica cirúrgica considerada simples e muito segura e o melhor é que ela permite uma recuperação mais rápida do paciente que também sofre menos durante o período pós-cirúrgico.

Esse tipo de cirurgia é feito com um equipamento de vídeo com câmera e fonte de luz, com um endoscópio e outros instrumentos específicos necessários para tratar do ombro.

Para a realização do procedimento, um equipamento de vídeo com câmera e fonte de luz câmera e fonte de luz é utilizado juntamente com um endoscópio e instrumentais específicos para esta região do corpo.

Agora você já está bem informado sobre Capsulite Adesiva no ombro, uma doença que apesar da dor e desconforto que provoca, com um pouco de sorte pode sarar por conta própria.

Tomara que você nunca venha a precisar dessas informações, mas poderá até ajudar outras pessoas que porventura venham a sofrer com esse problema.

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 5
Total de Votos: 3

Capsulite Adesiva no Ombro ( Ombro congelado, Tratamento )

Leia também: